terça-feira, 9 de junho de 2015

Governo gasta bilhões com prevenção e tratamento de dengue.



Foto: Divulgação.
De 2010 a 2014, o governo federal gastou ao menos R$ 4,2 bilhões em ações de prevenção e tratamento da dengue, segundo dados inéditos obtidos pela reportagem com o Ministério da Saúde. No período analisado, o custo da dengue para a pasta aumentou 48% – passando de R$ 613,4 milhões em 2010 para R$ 911,8 milhões em 2014.

O valor do ano passado só não foi superior ao de 2013, quando o País viveu a pior epidemia de dengue da história, com 1,4 milhão de pessoas infectadas e 674 mortes.

Naquele ano, a doença custou R$ 1,1 bilhão ao governo federal, elevando as despesas com dengue ao patamar de outros programas estratégicos do ministério, como o de aids, que teve custo de R$ 1,2 bilhão no ano passado, e o Mais Médicos – R$ 1,1 bilhão anuais em 2013 e 2014.

As despesas informadas pela pasta reúnem os principais, mas não todos os gastos com a dengue. Estão incluídos os valores gastos com internações, verba fixa repassada aos municípios e Estados para ações de prevenção e recursos adicionais exclusivos para a doença.

O repasse fixo é usado também para a prevenção de outros problemas, entretanto, segundo o ministério, em média 60% desse valor são destinados a ações contra a dengue.

Não estão incluídos nesses valores, portanto, despesas com a assistência a doentes com quadros mais brandos, que não precisam de internação.

Nesses casos, o paciente procura uma unidade de atenção básica, como um posto de saúde ou uma Assistência Médica Ambulatorial (AMA), e as despesas com esses atendimentos entram no repasse geral para atenção básica. Se fosse possível calcular esses valores, os custos com a dengue subiriam ainda mais.

“É preciso lembrar que não é só o Ministério da Saúde que tem gastos com dengue. As prefeituras têm grande despesa porque são as responsáveis por fazer o trabalho direto de prevenção”, explica Gonzalo Vecina Neto, professor da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (USP).

Prevenção

Foi a área de prevenção e combate à dengue a responsável por elevar os custos do ministério com a doença.

Somados os valores do piso fixo de prevenção com os adicionais específicos, houve crescimento de 54% entre 2010 e 2014. De acordo com a pasta, foi graças a esse aumento que ocorreu uma redução de internações pela doença e, consequentemente, dos custos hospitalares com esses pacientes.

O número de internações por dengue caiu de 93.934 em 2010 para 35.667 em 2014 – derrubando o custo no período de R$ 31,2 milhões para R$ 11,8 milhões.

Entre 2010 e 2014, 4,4 milhões de brasileiros foram contaminados pela dengue, dos quais 2.544 morreram. Neste ano, até 9 de maio, foram 845,9 mil casos notificados – dos quais 585 tiveram a forma grave da doença – e 290 mortos.

Dados do Ministério da Saúde sobre o perfil dos pacientes internados por dengue em 2014 mostram que uma em cada três pessoas hospitalizadas tinha até 19 anos.

Segundo o levantamento, dos 35.667 pacientes internados em hospitais públicos com complicações da doença em 2014, 11.391 eram crianças ou adolescentes, 31,9% do total.

Quase empatada com o mesmo número de hospitalizações está a faixa etária de jovens adultos, com idades entre 20 e 39 anos, que respondem por 31,7% do total de internações.

Em seguida, aparece o grupo de 40 a 59 anos, com 22,3% das internações, e o de idosos, com 13,9% das hospitalizações.

“Como o sistema imunológico está a todo vapor na juventude, pode acontecer de os jovens contaminados produzirem excesso de células de defesa, que passam a atacar partes do próprio corpo, causando complicações”, explica o infectologista Celso Granato, da Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). 



Estadão Conteúdo

Fabiana Cambricoli

Fonte: Clic Folha

0 comentários:

Postar um comentário

 
Design by Wordpress Theme | Bloggerized by Free Blogger Templates | JCPenney Coupons
Real Time Web Analytics